5 de out de 2009

Revista Prego.

A segunda revista a responder a nossa importantíssima e reveladora entrevista foi a Prego.
Como pouco sei sobre a revista, inventarei uma história. Em seguida colocarei a entrevista respondida pelo Alex Vieira o artista-mentor desta aventura galactica.

Novembro de 1977, Alabama, Espirito Santo. Um jovem nascia, seu nome, Alex vieira. A fámilia já esperava aquela criança a muitos anos. Inúmeras tentativas para engravidar, haviam desgastado o relacionamento entre seus pais e todo o resto da família.



Mas alí estava Alex, um exemplo vivo que a perseverança prospera sobre as dificuldades da disfunção eréctil. Com o passar dos anos, o menino estava se transformando em homem, um mamífero capaz de reproduzir em cativeiro e de desenhar.

Mas não qualquer desenho.
Aléx exprimia a frustração por pertencer a uma sociedade corrompida. Seus desenhos são a síntese do movimento punk. Graças a esse dom teve a ideia de criar a revista Prego. Terceira entidade benéfica, mais conhecida do mundo. Ficando atrás apenas do Greenpeace e da Unesco.

Um Viva para a Prego, dois vivas para o Espírito Santo. Amém!

História da revista em uma frase.
Três anos, três números e muitas idéias na cabeça.


O que espera do FIQ deste ano?
Espero divulgar bastante a PREGO, vender/trocar os materiais que eu to levando, me divertir e trocar idéias com a galera.

Opinião sincera sobre BH.
BH seria mais legal se fosse uma cidade plana e tivesse praia. Eu gostava na época do Sarcófago, agora, sei lá, tá meio fraco. O que salva BH são as mulheres e as opções gastronômicas.


Um amor, um ódio e uma punheta inesquecivel.
Um amor – Minha filha
Um ódio – Vendedores de Avon
Punheta – Lembrei de uma que bati na praia, nadei uns 100m e parei numa pedra perfeita para o ato. Depois de gozar, fiquei um tempo apreciando a paisagem e voltei para a praia.

Qual famoso global que gostaria de ver morto.

Que se foda esse canal de merda! Quero mijar no túmulo da família do Roberto Marinho.




http://revistaprego.blogspot.com/

Nenhum comentário: