16 de out de 2009

O minino e a Frera.

Luizaura é freira, velhinha, e atende em seu convento toda mazela que encontra pelas ruas de Belo Horizonte.

Certo dia Luizaura encontra Nestor, e olha para aquela criança imunda, babada, com as calças meio arriadas jogada no chão. Sua miopia deixava o menino ainda mais borrado, e a sujeira ficava ainda mais intensa.

- Venha cá meu menino - disse a freira, segurando a mão de Nestor e o ajudando a levantar.

Nestor mudo, olhos vermelhos, levantou e se deixou guiar pela velhinha vestida de forma estranha, e não pode deixar de pensar em como seria engraçado se aquelas roupas fossem o uniforme oficial da polícia. Mas como nunca ria, não achou graça da própria piada.

No convento, Luizaura disse ao menino que lhe daria comida, cama e estudo, mas antes lhe daria banho. Acostumado a andar todo cagado, com farrapos roubados de mendigos, Nestor não teve problema em se despir na frente da velhinha e entrar na banheira.

Luizaura pegou sabão, bucha, álcool e se ajoelhou ao lado do garoto para lhe esfregar. Esfregou as costas, esfregou os braços, esfregou os joelhos, e na hora de esfregar o pau sentiu na mão uma imensa muca de pentelhos.

- Quantos aninhos o meninho tem? - perguntou Luizaura.

- Quorenta - uma voz grossa como barba mal feita de travesti saiu da garganta de Nestor.

Miope e meio surda, Luizaura não se deu conta, e continuou a lavar Nestor, o mendigo anão mais conhecido do eixo R. da Bahia com Tamóios.

Fim.


Seu Jorge, 40 anos, "músico", ex-criança
mimada por freiras em convento.


Bom, começou, vou escrever alguma coisa aqui toda sexta-feira. Consiga ou não, farei isso. Talves isso se chame algo como Contos da Sesta-pheira, ou algo escroto assim.
Abs.

Nenhum comentário: